Top 10: os melhores jogos que vimos na Europa em 2018-19

Com a temporada europeia em vias de chegar ao fim – faltam apenas as finais da Liga Europa, da Liga dos Campeões e algumas copas nacionais – é um bom momento para olharmos para trás e relembrar alguns dos melhores jogos que aconteceram no Velho Continente em 2018-19.

A seguir você confere 10 dos maiores espetáculos de futebol que rolaram por lá. Claro que, entre os milhares de jogos que acontecem numa temporada, escolher só dez é pedir para gerar discussão e debate, e isso é perfeitamente normal. Assim, deixe nos comentários os jogos que você acha que mereciam estar aqui e ficaram de fora!

10. Wolverhampton 4×3 Leicester City (Premier League – 19/01/2019)

O Wolverhampton não apenas fez esse jogaço com o Leicester como, ao longo da temporada, também arrancou ponto de cinco dos seis gigantes da Premier League. Campanha histórica

As últimas posições de qualquer lista são sempre as mais difíceis de preencher, porque muitas outras opções poderiam ter roubado o lugar. Ainda assim, esse jogaço do Campeonato Inglês beliscou nossa décima colocação não pela tradição dos times ou por potencial disputa por grandes coisas, mas sim pelo puro futebol e qualidade do espetáculo apresentados em campo.

Esse jogo aconteceu no Molineux Stadium, casa dos Wolves, e abriu a 23ª rodada da Premier League. O que se viu em campo foi um show de delirar qualquer torcedor, com direito a hat trick de Diogo Jota, do Wolverhampton. O Leicester saiu atrás, tomando, 2×0, mas empatou em 2×2 – só para em seguida tomar 3×2 e empatar de novo, em 3×3. Nos acréscimos, Jota marcou o terceiro e sacramentou a vitória dos Wolves – que, aliás, estarão na próxima Liga Europa.

9. Barcelona 3×4 Betis (La Liga, 11/11/2018)

O Real Betis não fez nada demais na sua campanha em La Liga, mas foi o único que conseguiu derrotar o Barcelona dentro do Camp Nou

Nosso nono lugar teve o mesmo placar que o décimo, só que quem saiu de campo vitorioso foram os visitantes e, ao contrário de Wolves contra Foxes, onde o equilíbrio era claro, aqui era um caso de gigante contra azarão. Lá na 12ª rodada do Campeonato Espanhol, o futuro campeão Barcelona tomou um belo susto e viu o humilde Real Betis ganhar por 4×3 em pleno Camp Nou.

O Betis não vencia um jogo no estádio do Barça havia 20 anos, mas conseguiu abrir 2×0 no primeiro e segurar o placar até o intervalo. No segundo tempo, Messi diminuiu a vantagem dos visitantes, mas viu o Betis ampliar para 3×1 em poucos minutos numa falha trágica do goleirão Ter Stegen. Vidal colocou o Barcelona de volta no jogo, mas Sergio Canales deu números finais logo depois de Rakitic ser expulso.

Foi a única derrota do Barcelona no Camp Nou pelo Campeonato Espanhol na temporada inteira.

8. Manchester City 2×1 Liverpool (Premier League, 03/01/2019)

A única derrota do Liverpool no Campeonato Inglês veio pelas mãos do futuro campeão Manchester City, que faturou a taça com uma vantagem de só um ponto

O Manchester City se sagrou campeão inglês faz poucos dias justamente ao ficar fora de alcance do Liverpool, e agora fica fácil perceber como esse único jogo foi essencial na construção da campanha que acabou em título dos Citizens.

O Liverpool entrou e saiu de campo líder, mas sofreu sua primeira e única derrota na Premier League dentro do Etihad Stadium. Quatro empates nos oito jogos seguintes, por fim, custaram a primeira posição aos Reds. Dentro de campo naquele dia, porém, o time de Klopp não estava preocupado com isso e fez um duelo equilibradíssimo e de alto nível com os rivais azuis de Manchester.

Agüero abriu o placar no primeiro tempo, Firmino empatou no segundo e, menos de dez minutos depois, Sané deu números finais ao duelo. Com posse de bola a 51%-49% (pró-Liverpool), número de chutes e passes praticamente empatados e uma paridade técnica poucas vezes vistas antes, a eficiência do City dentro de casa trouxe a vitória e, quatro meses depois, o bicampeonato.

7. Arsenal 4×2 Tottenham Hotspur (Premier League, 02/12/2018)

Lucas Torreira não poderia ter feito seu primeiro gol com a camisa do Arsenal em situação mais apropriada: dando números finais ao derby contra o rival mais ferrenho dos Gunners

Hora do primeiro derby da nossa lista! Existem grandes clássicos no mundo e não cabe a nós aqui ficar debatendo qual é mais acirrado que qual, mas que Arsenal e Tottenham protagonizam duelos de sair faísca toda vez é inegável. No primeiro Derby do Norte de Londres da temporada, não faltou emoção para nenhum dos dois lados.

Os Gunners saíram na frente com gol de Aubameyang de pênalti, mas viram os Spurs virarem dentro do Emirates Stadium com Dier e Harry Kane, praticamente em sequência. O “desvira” veio primeiro com Aubameyang, depois Lacazette e, por fim, o uruguaio Lucas Torreira deu números finais ao clássico, marcando seu primeiro gol com a camisa do Arsenal.

O zagueiro Vertonghen, do Tottenham, que havia provocado os adversários no primeiro tempo, ainda acabou expulso no fim, para alegria do torcedor da casa, que acendeu até sinalizador – no caso do Arsenal, é o equivalente ao papa falar um palavrão na missa. Jogaço, como é a maioria entre os dois eternos rivais.

6. Borussia Dortmund 2×4 Schalke 04 (Bundesliga, 27/04/2019)

Embolo calou o Signal Iduna Park e praticamente sepultou as chances de o Borussia Dortmund ganhar a Bundesliga em 2018-19

Em outro clássico local brutal, o chamado Derby do Vale do Ruhr foi um dos pregos no caixão das esperanças do Borussia Dortmund de faturar o Campeonato Alemão deste ano. E não faltou prazer ao Schalke 04 em ser o coveiro, isso é fato.

O time azul-real de Gelsenkirchen viveu uma temporada horrorosa, terminando duas posições acima do rebaixamento – zona com a qual o clube flertou o torneio inteiro. O Dortmund, por sua vez, fez uma campanha ótima no começo, sendo líder isolado por muito tempo, mas entregou a paçoca quando não podia. Na 28ª rodada foi massacrado por 5×0 pelo futuro campeão Bayern de Munique e, três rodadas depois, recebeu os arquirrivais em casa para tentar a redenção dos sonhos. Deu mais do que errado.

Embora tenha saído na frente no placar, o Borussia perdeu o controle do jogo muito rápido, viu o Schalke ir para o intervalo ganhando de 2×1 e, não bastasse, ao voltar a campo, perdeu dois jogadores expulsos e sofreu o terceiro gol num intervalo de 5 minutos. Witsel ainda deu esperanças para os Aurinegros com um gol aos 39 do segundo tempo, mas Embolo liquidou a fatura dois minutos depois. Vexame amarelo e festa azul dentro do Signal Iduna Park, em Dortmund.

5. Real Madrid 1×4 Ajax (Liga dos Campeões, 05/03/2019)

O Ajax fez bonito no Santiago Bernabéu e ainda iria encantar o resto da Europa até ser derrotado pelo Tottenham nas semifinais. Ainda assim, acabou pelo menos campeão holandês – merecidamente

Falando em vexames em casa, poucos vão conseguir ficar na frente desse papelão que o Real Madrid, então atual campeão da Champions League, conseguiu fazer pelas oitavas de final da competição, dentro do Santiago Bernabéu.

Depois de vencer por 2×1 na Holanda, os Merengues estavam com a vaga para as quartas bem encaminhada, mas não contavam com o poder absurdo de reação do Ajax, até então considerado azarão no torneio. O primeiro tempo dos holandeses foi avassalador, com Tadić, David Neres e Zyech especialmente inspirados – os dois últimos fizeram os gols que fizeram o primeiro tempo acabar em 2×0 para o Ajax.

Na segunda etapa, os donos da casa até tentaram reagir, mas levaram o terceiro com um golaço de Tadić. O Real até conseguiu descontar com Asensio, mas viu o Ajax fechar a conta com um golaço espetacular de Schöne logo depois. Ajax nas quartas e vivendo um sonho que só seria encerrado nas semis, como veremos logo mais.

4. PSG 1×3 Manchester United (Liga dos Campeões, 06/03/2019)

O United colocou até alguns garotos da base em campo e, ainda assim, ganhou na raça sua vaga para as quartas de final da UEFA Champions League

O Manchester United não viveu exatamente uma temporada dos sonhos, mas esse jogo contra o PSG provavelmente foi o momento de maior satisfação do torcedor Red Devil e também de glória do técnico Ole Gunnar Solskjaer. Para o PSG, por outro lado, que ainda viria a ser campeão francês, representou mais um ano tentando e falhando em ser competitivo contra os gigantes europeus.

O jogo de ida, no Old Trafford, foi um desastre para o United, que viu os franceses fazerem 2×0 e ainda tiveram que aturar a marra do ex-diabo vermelho Ángel Di María. A vingança, porém, veio no jogo de volta, no Parque dos Príncipes. Lukaku abriu o placar praticamente na saída de bola, mas Bernat empatou para o PSG dez minutos depois. Antes do intervalo, Lukaku fez mais um e o United foi para o vestiário com a vantagem, mas precisando de mais um gol para passar.

Mesmo jogando melhor, o PSG não conseguiu ampliar a vantagem – falha grave num jogo desse porte. Teve até bola na trave de Mbappé, mas nada de gol. A punição veio aos 90+5, quando o United teve pênalti assinalado a seu favor e Marcus Rashford, com uma frieza rara para um garoto de 21 anos, calou Paris e levou seu time às quartas de final da Liga dos Campeões.

3. Manchester City 4×3 Tottenham Hotspur (Liga dos Campeões, 17/04/2019)

Heung-min Son fez dois gols e foi essencial para que o Tottenham seguisse até as semifinais da Liga dos Campeões, principalmente por não contar então com Harry Kane

A medalha de bronze da nossa lista vai para mais um 4×3, mas esse mais emocionante, importante e em mais alto nível do que os dois anteriores. Aqui é um duelo inglês valendo vaga nas semifinais da Liga dos Campeões, e a construção do resultado foi algo quase surreal.

O Tottenham havia vencido o Manchester City por 1×0 no jogo de ida, em Londres, e tinha a vantagem do empate para o duelo da volta. O City, por sua vez, precisava ganhar por dois gols de diferença. O que se viu no Etihad Stadium foi um show de futebol dos dois lados e um começo de jogo de fazer qualquer ficar com falta de ar. Com 11 minutos de jogo, o placar era de 2×2 e, aos 21, 3×2 para o City. Esse resultado classificaria o Tottenham por gols fora, então os Citizens foram para cima e acharam mais um gol. O Tottenham não deixou barato e fez mais um, voltando a ficar com a vaga na mão.

A taquicardia final, porém, veio nos acréscimos, quando Sterling marca o que seria o gol da glória para, logo em seguida, ver o bandeira e o árbitro anularem o tento (corretamente) por impedimento. Não faltou comemoração do Tottenham e nem lágrimas do City, que teve que se “conformar” apenas com os títulos de todas as outras quatro competições que disputou. Champions, porém, ainda não deu.

2. Liverpool 4×0 Barcelona (Liga dos Campeões, 07/05/2019)

A expressão de Luís Suárez nessa foto fala melhor do que qualquer legenda sobre como foi para o Barcelona a experiência de ser eliminado em fase semifinal de Liga dos Campeões tomando 4×0

Você deve ter reparado que nós fomos subindo de fase de Liga dos Campeões junto com os itens da lista, e isso não é por acaso. Poucas vezes vimos uma Champions League com tantos jogaços em seguida, e já nas semifinais, só sobraram times que fizeram bonito – ou será que não?

O Barcelona construiu um confortável 3×0 no Camp Nou e poderia ter feito ainda mais. Assim como Di María com o United, o Liverpool tinha ex-atletas do outro lado provocando a todo tempo – no caso, Philippe Coutinho e Luís Suárez. A revanche dos Reds, porém, calou o elenco inteiro do Barça e os torcedores que foram até a Inglaterra.

O que se viu em Anfield foi um espetáculo de futebol do Liverpool que, empurrado por uma torcida fanática e apaixonada, reverteu a vantagem fazendo parecer fácil. Origi e Wijnaldum marcaram duas vezes cada e, com inteligência (que escanteio foi aquele que originou o quarto gol!), jogo coletivo e verdadeiro sangue nos olhos dos 11 atletas e 50 mil torcedores, o Liverpool chegou até a final, onde pega o Tottenham no dia 1º de junho. Justíssima prata!

1. Ajax 2×3 Tottenham Hotspur (Liga dos Campeões, 08/05/2019)

Lucas Moura levando a bola que ele colocou pra dentro do gol do Ajax três vezes já é a foto de capa da matéria. Nada mais justo que mostrar aqui, então, o belíssimo gesto de solidariedade de Alderweireld com o adversário derrotado Tadić

Nossa medalha de ouro vai para dois times que em praticamente nenhum momento do mata-mata das Champions League fizeram feio. A pena é saber que um dos dois deveria ser eliminado para que o outro pudesse seguir em frente.

O jogo na Inglaterra acabou 1×0 para o Ajax, que mais uma vez provou seu valor fora de casa depois de eliminar ambos Real Madrid e Juventus longe dos seus domínios. Na hora de decidir em Amsterdam, porém, quis o destino que os holandeses pegassem justamente o único time ainda melhor que eles mesmo em despachar adversários longe de seu estádio.

O Ajax fez um primeiro tempo exemplar, e vencia o Tottenham por 2×0 quando o apito soou. Na volta, porém, brilhou a estrela de Lucas Moura, que ocupou a posição do lesionado Harry Kane. O que o brasileiro fez pelos Spurs na Johann Cruyff Arena, muito por conta das mudanças táticas feitas pelo técnico Mauricio Pochettino no intervalo, foi algo que se vê poucas vezes na vida.

Absolutamente imparável, Lucas fez dois gols quase em sequência e viu o Tottenham pressionar por todo o resto do jogo, meter bola na trave e forçar o goleiro Onana a operar alguns milagres. Quando o fôlego parecia ter acabado, o atacante brasileiro tirou forças só Deus sabe de onde e, numa jogada coletiva espetacular, botou a bola no fundo das redes aos 90+5. Euforia dos Spurs e tristeza impossível de ser medida dos holandeses, que foram até consolados pelos adversários vitoriosos

Não foi apenas o melhor jogo em técnica e qualidade que se viu nessa temporada, o que nem é tão importante assim, mas definitivamente foi o mais emocionante e, acima de tudo, um daqueles faz a gente lembrar porque o futebol é algo tão mágico.

Comentários do Facebook