Yerry Mina Palmeiras

A Copa Libertadores da América tem vários atrativos. Muitas vezes os jogos podem não ser os mais bonitos de serem assistidos, com muita catimba, nervosismo e até desorganização tática e organizacional. Só que o talento diversas vezes ultrapassa todos esses problemas e fica evidente que os países envolvidos e os clubes que jogam a competição são verdadeiros celeiros de jogadores talentosos.

Na edição de 2017, vencida pelo Grêmio, dá para dizer tranquilamente que vários jogadores podem fazer parte de suas seleções sul-americanas e também brilhar na Europa, rendendo dinheiro a seus clubes de formação. Neste texto vamos destacar alguns que brilharam nos gramados sul-americanos neste ano que se encerra.

1. Luan – Grêmio

Não há como começar por outro jogador que não seja Luan. O jogador do Grêmio mostrou seu cartão de visitas para o mundo na final da competição, fazendo um golaço com cavadinha no goleiro incluída para decidir a série contra o Lanús. Eleito o melhor jogador da competição, Luan pode jogar aberto na ponta ou então solto no meio, já que ele tem habilidade e visão de jogo para disparar mas também para operar em espaços pequenos. O Grêmio já recebeu interesse de clubes internacionais, sendo o Liverpool um deles. E logo ele deve ir para a Europa.

2. Arthur – Grêmio

Se Luan brilhou pela sua habilidade, Arthur foi o motor do clube gaúcho na conquista da competição. Jogador moderno de meio-campo, ele é ativo tanto na defesa como no ataque, tendo a energia para ir e voltar e a qualidade para iniciar as ações ofensivas de seu time. Com apenas 21 anos, ele é o típico jogador que não sofrerá para se adaptar ao estilo de jogo de países como Inglaterra, Espanha e Alemanha.

3. Bruno Henrique – Santos

Depois de uma passagem apagada pelo Wolfsburg da Alemanha, Bruno Henrique retornou ao Brasil para jogar no Santos e foi o ponto mais positivo do time na temporada, que chegou até as quartas de final da Libertadores. Atacante que gosta de atuar na ponta esquerda, suas longas pernas possibilitam passadas longas e ele tem a habilidade para ganhar confrontos no um a um de forma quase imediata. Logo em sua primeira temporada ele se tornou um grande goleador e garçom para seu time e com 26 anos ele ainda pode voltar para a Europa e ter uma passagem mais sólida em um time que valorize sua força ofensiva.

4. Jose Luis Gomez – Lanús

Um dos destaques do Lanús, vice-campeão continental, Gomez foi uma força para seu time tanto na defesa como no ataque jogando pela lateral direita. Uma de suas características é que ele não tem medo de chutar e testar o goleiro, algo que surpreende muitas vezes e pode ser valorizado no futebol europeu.

5. Yerry Mina – Palmeiras

A campanha do Palmeiras  na Libertadores pode ter sido um pouco decepcionante, mas com certeza não foi por causa de Mina. O zagueiro já foi ligado ao Barcelona e é um exemplo de jogador moderno que tem tudo para ser muito valorizado. Forte mas ágil, o colombiano inclusive gosta de se lançar ao ataque com suas passadas longas e tem boa saída de bola. Com um pouco mais de disciplina em seu jogo, pode se tornar um dos grandes e defensores do futebol mundial, já que ele tem apenas 23 anos.

6. Gonzalo Martinez – River Plate

O River Plate bateu na trave na Libertadores, sendo eliminado por muito pouco pelo Lanús. Mas Gonzalo Martinez segue sendo um dos jogadores que vale a pena assistir. Mais um canhoto argentino habilidoso, um dos vários que o pais revelou, Martinez tem excelente visão de jogo e é muito difícil de ser marcado. Além disso sua perna canhota não serve só para driblar, ele também tem um potente chute que pode ser mais desenvolvido.