Guerra entre emissoras de TV torna Brasileirão mais lucrativo

275
Soccer Football - Brazilian Championship - Corinthians v Atletico MG - Arena Corinthians Stadium, Sao Paulo, Brazil - November 26, 2017. Corinthians players celebrate with Brazilian championship trophy. REUTERS/Paulo Whitaker

Antes de melhorar, vai piorar. Essa é a perspectiva para o Campeonato Brasileiro. O torneio tem real possibilidade de enfrentar uma de suas piores temporadas em 2018 quando se leva em consideração a questão técnica. Com calendário ainda mais apertado devido à realização da Copa do Mundo da Rússia, a competição que ocupa a maior parte do calendário deve ter seu processo de esvaziamento ampliado.

Em busca de prêmios maiores e das glórias oferecidas por conquistas em competições como Copa Libertadores e Sul-Americana, alguns clubes já deixaram de lado o Brasileirão em 2017. Para a nova temporada, a possibilidade é de que essa tendência aumente devido ao brutal reajuste de quase 800% na premiação da Copa do Brasil. A CBF (Confederação Brasileira de Futebol) vai distribuir cerca de R$ 280 milhões entre os 91 competidores. Só o campeão vai levar R$ 50 milhões, quase o triplo do que o Corinthians, vencedor do Brasileirão 2017, faturou como bônus por erguer a taça em 2017.

Virada econômica tem data marcada para acontecer

Campeão brasileiro em 2017, o Corinthians
Campeão brasileiro em 2017, o Corinthians levou prêmio de R$ 18 milhões. Em 2019, o valor vai superar R$ 50 milhões

A batalha sobre qual torneio é mais importante financeiramente tem data marcada para uma virada. A partir da edição de 2019, o Campeonato Brasileiro deve ter premiação em torno de R$ 400 milhões. Em 2017, o valor foi de quase R$ 64 milhões.  O grande fator de aumento do interesse no torneio não será a CBF, sua organizadora, que contribuirá com menos de um quarto do montante. Mas sim pela guerra entre as duas emissoras de TV que detém os direitos de transmissão dos jogos.

Até 2018, somente a Rede Globo de Televisão tem contrato para exibição dos jogos da competição em todas as plataformas (TV aberta, por assinatura, pague para ver e Internet). A partir de 2019, o canal Esporte Interativo vai entrar na briga pela audiência. Para conquistar os clubes, apelou, entre outras formas de remuneração, para uma atraente tabela de premiações garantindo valores maiores para as equipes que conseguirem melhor desempenho.  A emissora resolveu destinar 25% dos R$ 220 milhões que pagará aos times que tem sob contrato para esse tipo de bonificação.

Globo destina 30% dos direitos de transmissão para prêmios

Para manter a maioria de seus parceiros, a Globo, que investiu R$ 1,1 bilhão no pagamento de direitos de transmissão para os próximos anos, também teve que fazer concessões nessa área. Decidiu investir 30% do valor em premiação por performance. É esse o principal fator que tornará o Brasileirão mais atraente economicamente a partir de 2019.

 Flamengo manteve compromisso com a Globo
O Coritiba assinou contrato com o Esporte Interativo na Primeira Divisão, mas estará na Série B em 2018. O Flamengo manteve compromisso com a Globo

A Rede Globo deve pagar para o campeão de 2019 um prêmio de R$ 33 milhões. Somado aos R$ 18 milhões da CBF, valor que será um pouco maior de acordo com o reajuste pela inflação do período, o montante vai superar o que é oferecido para o vencedor da Copa do Brasil. O mesmo raciocínio poder ser aplicado em relação às demais posições. Isso, naturalmente, além da arrecadação através de outras formas como venda de ingressos e patrocínios, por exemplo.

Composição da Série A influência no valor dos prêmios

Esses números, naturalmente, são uma estimativa, uma vez que a definição de quantos clubes cada emissora terá sobre contrato na Série A depende de questões técnicas. O Canal Esporte Interativo, por exemplo, assinou contratos com Coritiba, Santa Cruz, Figueirense e Ponte Preta quando eles ainda estavam na divisão de elite do Brasileirão. Contudo, foram rebaixados. Coritiba, Figueirense e Ponte Preta participam da Série B em 2018. O Santa caiu duas vezes e vai disputar a Série C.

Porém, houve o efeito contrário. Na época do fechamento do compromisso, Bahia, Ceará, e Paraná estavam na Série B. Agora, vão disputar a Primeira Divisão. A emissora também assinou com Fortaleza na Série C, mas o tricolor cearense subiu para a Segunda Divisão.

Table

Brasileirão 2018 – Série A

EquipesContrato de TV para 2019
CorinthiansGlobo
PalmeirasEsporte Interativo
SantosEsporte Interativo
GrêmioGlobo
CruzeiroGlobo
FlamengoGlobo
VascoGlobo
ChapecoenseGlobo
Atlético-MGGlobo
BotafogoGlobo
Atlético-PREsporte Interativo
BahiaEsporte Interativo
São PauloGlobo
FluminenseGlobo
SportGlobo
VitóriaGlobo
América-MGGlobo
InternacionalEsporte Interativo
CearáEsporte Interativo
ParanáEsporte Interativo