Nem estaduais, nem Brasileirão. Até mesmo as copas Libertadores e Sul-Americana ficarão em segundo plano. A Copa do Brasil será na temporada 2018 o campeonato mais visado do país tanto pelos times como pelos torcedores. A bola começa a rolar nesta terça-feira, 30 de janeiro, e só para em novembro, quando será conhecido o melhor entre os 91 times participantes.

Conheça a seguir os 5 motivos que fazem da disputa o mais atraente da temporada:

  1. Formato mantém a essência do futebol

Os analistas de futebol em sua grande maioria enaltecem a fórmula de pontos corridos. Dizem que ela agracia os times que sabem se planejar e assegura a vitória do melhor entre elas. Nada pode ser tão contrário ao espírito do futebol.  O que transformou a modalidade no esporte mais praticado e acompanhado do mundo foi exatamente o contrário: a possibilidade de o mais fraco prevalecer. Futebol é para enaltecer David, não Golias.

O formato da Copa do Brasil 2018

Fase 1 80 dos 91 times participantes começam a disputa nesse estágio. Em jogo único, serão definidos 40 sobreviventes. Empate beneficia o visitante.
Fase 2 20 partidas colocam frente a frente os times que passaram pela primeira fase. A definição acontece novamente em jogo único, mas, dessa vez, sem vantagem do empate. Se houver igualdade, a decisão será feita em cobranças de pênaltis.
Fase 3 Os 20 times classificados farão dez confrontos no sistema de ida e volta. Quem somar mais pontos nos dois jogos avança. Em caso de igualdade, a definição será no saldo de gols. Prevalecendo o empate, as cobranças de pênalti indicarão os sobreviventes.
Fase 4 Os dez times restantes farão cinco duelos também no sistema de ida e volta e seguindo os mesmos critérios para desempate da etapa anterior.
Fase 5 Os 11 clubes pré-classificados se juntam aos cinco sobreviventes. Novo sorteio determinará os oito confrontos a serem realizados em ida e volta, com saldo de gols e pênaltis usados como forma de desempate se houver igualdade em número de pontos.
Fase 6 Segue as mesmas regras do estágio anterior com quatro duelos de dois jogos entre os oito classificados.
Fase 7 As semifinais também são realizadas em ida e volta seguindo os mesmos critérios de desempate.
Fase 8 A decisão reúne os dois sobreviventes e segue as mesmas regras do estágio anterior.

Para isso, nada é melhor do que um mata-mata ou mesmo apenas um jogo eliminatório, como acontece nas fases iniciais da Copa do Brasil. Isso faz com que times de grande investimento e planejamento de longo prazo sejam batidos por clubes que são dirigidos de forma amadora e seguem mergulhados em dívidas. É um pesadelo para os analistas de balancetes e torcedores de gestão, que querem saber se os clubes estão pagando os boletos em dia.

Injustiças acontecem? Eventualmente. Porém, a grande maioria delas é perpetrada pelas arbitragens, que com seus erros grosseiros acabam provocando eliminações. Esse fator quase inevitável está presente em todos os torneios e formatos, não é exclusividade das copas.  Na bola, vence sempre quem merece. Um time pode disparar dezenas de vezes contra o gol do adversário e perder na única oportunidade em que o rival atingiu sua meta. Isso é futebol. Quer ver justiça? Mude de canal e vá assistir aos julgamentos do Supremo Tribunal Federal, ainda que nem mesmo lá exista garantia de que a justiça será feita.

  1. Democracia

Enquanto na divisão de elite do Campeonato Brasileiro apenas times de nove estados e dez cidades diferentes são representados, entre os 91 clubes qualificados para a disputa da Copa do Brasil há equipes de todas as unidades da federação e mais de 60 cidades.

Os participantes da Copa do Brasil 2018
Acre Atlético e Rio Branco
Alagoas ASA, CRB e CSA
Amapá Santos
Amazonas Manaus e Nacional
Bahia Bahia, Fluminense de Feira, Vitória e Vitória da Conquista
Ceará Ceará, Ferroviário e Floresta
Distrito Federal Brasiliense e Ceilândia
Espírito Santo Atlético Itapemirim
Goiás Aparecidense, Atlético, Goiás e Vila Nova
Maranhão Cordino e Sampaio Corrêa
Mato Grosso do Sul Corumbaense e Novoperário
Mato Grosso Cuiabá, Dom Bosco, Luverdense e Sinop
Minas Gerais América, Atlético, Boa Esporte, Caldense, Cruzeiro, Uberlândia e URT
Pará Independente, Remo e Paysandu
Paraíba Botafogo e Treze
Paraná Atlético, Cianorte, Coritiba, Londrina e Paraná
Pernambuco Náutico, Salgueiro, Santa Cruz e Sport
Piauí Altos e Parnahyba
Rio de Janeiro Boavista, Botafogo, Flamengo, Fluminense, Madureira, Nova Iguaçu, Vasco da Gama e Volta Redonda
Rio Grande do Norte ABC, América de Natal e Globo
Rio Grande do Sul Aimoré, Caxias, Grêmio, Internacional, Juventude e Novo Hamburgo
Rondônia Real Ariquemes
Roraima São Raimundo
Santa Catarina Atlético Tubarão, Avaí, Brusque, Chapecoense, Criciúma, Figueirense e Joinville
São Paulo Bragantino, Corinthians, Internacional de Limeira, Ituano, Oeste, Palmeiras, Ponte Preta, Santos, São Caetano e São Paulo
Sergipe Confiança e Itabaiana
Tocantins Interporto

Há participantes de todas as divisões do Brasileirão e o regulamento abre até mesmo a possibilidade da classificação de equipes que não conseguem qualificação para o torneio as séries de A a D.

  1. O pote de ouro no fim do arco-íris

A Copa do Brasil torna-se, a partir da temporada 2018, a competição mais rentável da América do Sul. Isso mesmo, não só do Brasil. Os prêmios oferecidos pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol), deixam no chinelo os valores que a Confederação Sul-Americana paga aos clubes por suas participações na Libertadores ou na Copa Sul-Americana.

Os prêmios da Copa do Brasil 2018
Campeão R$ 50 milhões
Vice-campeão R$ 20 milhões
Semifinalistas R$ 6,5 milhões
Quartas de final R$ 3 milhões
Oitavas de final R$ 2,4 milhões
Quarta fase R$ 1,8 milhão
Terceira fase R$ 1,4 milhão
Segunda fase R$ 600 mil a R$ 1, 2 milhão
Primeira fase R$ 500 mil a R$ 1 milhão

No total, a bolada atinge a casa de R$ 278 milhões, mais do que qualquer concurso da Mega-Sena da virada, a loteria que oferece mais prêmios no país. Só o campeão vai embolsar R$ 50 milhões. Quem cair na primeira rodada colocará, no mínimo, R$ 500 mil em sua conta bancária pela participação. Sem falar em outras receitas como arrecadação da bilheteria, por exemplo.

  1. Qualidade técnica

O fator financeiro vai provocar uma mudança na priorização. Quando houver um ‘congestionamento’ de jogos, algo absurdamente comum no calendário nacional, não há dúvida de que dirigentes e comissões técnicas vão optar por colocar os melhores jogadores que têm à disposição na Copa do Brasil e deixar reservas no Brasileirão.

A tabela da primeira fase da Copa do Brasil
Data Horário Jogo
30/janeiro 20h Vitória da Conquista s Boa Esporte
30/janeiro 21h30 Caxias x Atlético-PR
31/janeiro 16h Nova Iguaçu x Bragantino
31/janeiro 19h30 Caldense x Fluminense
31/janeiro 19h30 Boa Vista x Internacional
31/janeiro 20h Aimoré x Cuiabá
31/janeiro 20h Tubarão x América-RN
31/janeiro 20h30 Uberlândia x Ituano
31/janeiro 21h30 Interporto x Juventude
31/janeiro 21h30 Floresta x Botafogo-PB
31/janeiro 21h30 Cordino x Náutico
31/janeiro 21h30 Independente x Sampaio Corrêa
31/janeiro 21h30 Novo x Salgueiro
31/janeiro 21h30 Treze x Figueirense
31/janeiro 21h30 Itabaiana x Joinville
31/janeiro 21h45 Madureira x São Paulo
31/janeiro 22h Real Desportivo x Londrina
31/janeiro 22h30 Flu-BA x Santa Cruz
1/fevereiro 19h15 URT x Paraná
1/fevereiro 21h30 Novo Hamburgo x Paysandu
6/fevereiro 19h15 Brasiliense x Oeste
6/fevereiro 19h15 Nacional x Ponte Preta
6/fevereiro 20h30 Inter de Limeira x Rio Branco-AC
6/fevereiro 21h30 Aparecidense x Botafogo-RJ
7/fevereiro 16h Atlético-ES x Remo
7/fevereiro 16h Ceilândia x Avaí
7/fevereiro 17h Corumbaense x ASA
7/fevereiro 19h15 Parnahyba x Coritiba
7/fevereiro 19h30 Globo x Vitória
7/fevereiro 19h30 Santos-AP x Sport
7/fevereiro 19h30 São Caetano x Criciúma
7/fevereiro 20h30 Cianorte x ABC
7/fevereiro 21h30 Ferroviário x Confiança
7/fevereiro 21h30 Sinop x Goiás
7/fevereiro 21h30 Dom Bosco x CRB
7/fevereiro 21h30 Altos x Atlético-GO
7/fevereiro 21h45 Brusque x Ceará
7/fevereiro 21h45 Atlético-AC x Atlético-MG
7/fevereiro 22h30 São Raimundo x Vila Nova-GO
7/fevereiro 22h30 Manaus x CSA

Isso não afeta os torneios continentais, uma vez que os calendários tanto da Copa Libertadores quanto da Copa Sul-Americana são compatíveis com as datas em que os jogos da Copa do Brasil são disputados.

  1. O fim da estupidez do gol qualificado

Criado há mais de cinco décadas tendo como objetivo obrigar os times visitantes a assumirem postura mais ofensiva, o gol qualificado foi um tiro pela culatra. Promoveu o efeito contrário. Especialmente nos jogos de abertura das disputas no sistema de ida e volta os mandantes, temendo sofrer um gol que poderia comprometer sua classificação, acabaram tornando-se menos ousados.

Quem só entra a partir das oitavas de final na Copa do Brasil 2018
Cruzeiro Copa Libertadores da América
Palmeiras Copa Libertadores da América
Grêmio Copa Libertadores da América
Santos Copa Libertadores da América
Corinthians Copa Libertadores da América
Flamengo Copa Libertadores da América
Vasco Copa Libertadores da América
Chapecoense Copa Libertadores da América
Bahia Campeão da Copa do Nordeste
Luverdense Campeão da Copa Verde
América-MG Campeão da Série B do Brasileirão

A CBF tardou, mas acertou ao acabar na Copa do Brasil com o critério estúpido que dava mais valor ao gol assinalado fora de casa na hora da utilização dos critérios de desempate. Isso deve fazer com que os donos da casa partam para cima em busca de conseguir vantagem para segunda partida, mesmo que isso custe ter sua defesa vazada.

Comentários do Facebook