Chape e Atlético-MG lutam pela sobrevivência na Copa do Brasil

79
Wellington Paulista
Wellington Paulista pode perder seu lugar no comando de ataque da Chape

Em busca da glória do título da Copa do Brasil e impulsionados ainda mais pela possibilidade de receber R$ 50 milhões de prêmio em caso de conquista, Chapecoense e Atlético-MG vão lutar por sua sobrevivência no torneio na noite desta quarta-feira, 16 de maio, na Arena Condá, em Chapecó, Santa Catarina. O duelo de volta das oitavas de final tem pontapé inicial programado para 19h30 (horário de Brasília).

Atlético-MG
Eliminado da Copa Sul-Americana, o Galo encara a Chapecoense por sobrevivência na Copa do Brasil

No primeiro jogo, em Belo Horizonte, houve empate sem gols. Mas o resultado não mostrou com exatidão o que ocorreu nos 90 minutos. O Galo mostrou amplo domínio da partida. Teve o controle da posse de bola por 73% do tempo e conseguiu fazer com que isso se tornasse em oportunidades de finalização. Disparou 18 vezes contra a meta da equipe catarinense. Não obteve um resultado melhor porque somente quatro desses chutes atingiram o alvo, mas não superaram o goleiro Andrei.

Novo empate leva decisão para os pênaltis

A igualdade sem gols deixou o confronto aberto. Quem vencer se juntará nas quartas de final a Corinthians, Flamengo e Grêmio, que já obtiveram a vaga. A definição dos confrontos da próxima etapa, no entanto, só será realizada depois da Copa do Mundo da Rússia.

Como o critério do gol qualificado foi excluído do regulamento, o empate com gols não beneficiará o Galo. Em caso de qualquer igualdade no tempo regulamentar, a decisão será feita em cobranças de pênalti.

Mineiros defendem invencibilidade de sete partidas

O Atlético-MG ganhou um pouco mais de confiança para o confronto ao derrotar o Atlético-PR, por 2 a 1, no domingo, em confronto pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro. Isso fez com que o time atingisse uma sequência de sete partidas em derrota.

Atlético-MG x San Lorenzo
O Galo defende uma série invicta de sete partidas

A análise qualitativa indica que a série não é das mais significativas. Quatro desses jogos terminaram em empate. Uma dessas igualdades, diante do San Lorenzo, da Argentina, em Belo Horizonte foi, na prática, uma derrota. Fez com que o time, que perdera o jogo de ida por 1 a 0, fosse eliminado da Copa Sul-Americana ainda em sua primeira fase.

Porém, tem sido suficiente para fazer com que o técnico Thiago Larghi fique próximo de colocar seu nome no livro de recordes como interino com maior longevidade no futebol. Ele assumiu o cargo depois da demissão de Oswaldo Oliveira no final da primeira quinzena de fevereiro e depois de três meses segue sem ser confirmado na posição.

Chape tem dúvida no comando de ataque

O time catarinense conseguiu ganhar um alívio ao derrotar o Flamengo, por 3 a 2, no domingo, pelo Brasileirão. A equipe comandada por Gilson Kleina não vencia há mais de um mês. Foram cinco empates e duas derrotas, uma delas, diante do Figueirense, custou o título do Campeonato Catarinense.

Wellington Paulista
Wellington Paulista pode perder seu lugar no comando de ataque da Chape

O sucesso, no entanto, criou um problema para o treinador. Wellington Paulista, centroavante considerado titular absoluto, não participou da partida contra o rubro-negro carioca. Precisou cumprir suspensão por ter recebido três cartões amarelos nas primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro. Leandro Pereira, que assumiu sua vaga, fez um dos gols contra o time carioca e virou candidato a ganhar um lugar entre os titulares.

Como Kleina não é adepto a escalar o time com dois atacantes de referência, terá que escolher entre eles. A possibilidade de os dois estarem em campo ao mesmo tempo deve ser deixada apenas para o caso de a Chape estar em desvantagem no marcador e tentando uma reação nos minutos finais usando da estratégia de lançar bolas na direção para a área.

A tendência é de que Leandro Pereira, que também é conhecido como Leandro Banana e conta com passagens por Palmeiras e Brugge (Bélgica), entre outros, ganhe a vaga.