Messi acaba com jejum contra o Chelsea

36
Soccer Football - Champions League Round of 16 First Leg - Chelsea vs FC Barcelona - Stamford Bridge, London, Britain - February 20, 2018 Barcelona’s Lionel Messi scores their first goal Action Images via Reuters/Andrew Boyers

Nove jogos, 730 minutos, 30 finalizações e nenhum gol. Esses números seriam considerados ruins para qualquer centroavante, mesmo para aqueles que não figuram entre os mais destacados do ramo. Quando refletem o desempenho do argentino Lionel Messi, múltiplas vezes ganhador do prêmio de melhor atleta do planeta e nome certo na galeria dos maiores jogadores da história do futebol, vão muito além de uma estatística desfavorável. Podem e devem ser considerados como uma anomalia, quase uma aberração.

A partida entre Chelsea e Barcelona disputada na terça-feira, 20 de fevereiro, como parte da rodada de ida das oitavas de final da edição 2017/2018 da Liga dos Campeões da Europa, corrigiu essa insólita sequência. Pela primeira vez em sua carreira Messi conseguiu balançar a rede do time londrino. O Chelsea foi o time que mais tempo levou para ter sua defesa vazada na carreira do atacante titular da seleção da Argentina.

messi-iniesta
Messi (de frente) recebeu passe de Iniesta para acabar com o jejum histórico contra o Chelsea

Só para efeitos de comparação, o Milan, por exemplo, viu Messi assinalar oito tentos em prazo muito próximo – 720 minutos – nos confrontos envolvendo as equipes pela Liga dos Campeões. A situação do Arsenal é ainda pior. O argentino fez nove gols em seis encontros (450 minutos).

Gol evitou derrota e deixou Barça em vantagem

Além de corrigir essa anomalia estatística, o gol assinalado em Stamford Bridge teve alto valor também coletivamente. Quando o atacante do time da Catalunha conseguiu acertar o alvo e superar o goleiro belga Courtois, os blues estavam na frente do placar.

O empate, por 1 a 1, deu ao Barcelona a possibilidade de estar em vantagem quando a bola rolar para o segundo jogo, que está programado para 14 de março, no Camp Nou. Os espanhóis precisam apenas de uma igualdade sem gols para conseguir um lugar nas quartas de final.

Tento aproxima ídolo de recorde

Ao incluir o Chelsea em uma lista de 29 clubes que já sofreram um gol seu na Liga dos Campeões da Europa, Lionel Messi deu também mais um passo para alcançar um recorde. Dois atletas do Real Madrid estão à sua frente nesse ranking.

O aposentado Raúl Gonzáles, um dos maiores ídolos da história do clube merengue, foi artilheiro contra 33 diferentes equipes na competição. Cristiano Ronaldo também está de olho nessa marca. Sua relação de vazados tem 32 times e, assim como o argentino, o português continua procurando por novas vítimas.

Adversário colaborou com quebra do jejum

Messi esteve muito próximo de quebrar o tabu em 2012. Porém, desperdiçou uma cobrança de pênalti em jogo que terminou empatado em 2 a 2. Na partida da última quarta-feira, chegou ao seu objetivo menos pela força coletiva do Barcelona e mais por um erro na saída de bola do Chelsea. Christensen foi o autor do passe errado que foi parar nos pés do veterano meia Iniesta. Este serviu o artilheiro argentino.

Foi um momento de exceção no jogo. Apesar de o Barcelona ter tido a posse de bola por 68% do jogo preservada pelo acerto de 825 do total de 894 passes dados, conseguiu produzir apenas sete finalizações. O Chelsea, com a pelota em seus pés em menos da metade desse tempo, produziu dez oportunidades de tentar tiros a gol depois de trocar 329 passes e acertar 259 deles. Como o técnico italiano Antonio Conte optou por um sistema sem homem de área, coube ao meia brasileiro William protagonizar as melhores oportunidades dos blues. Não apenas fez o gol da equipe londrina como ainda mandou duas bolas na trave.

chelsea
O Chelsea fez seu gol com o brasileiro William, que ainda mandou duas bolas na trave

O número de finalizações certas, contudo, foi igual. Os dois times conseguiram disparar somente dois tiros na direção do arco rival. Assim, o empate, de certa maneira, concedeu alguma justiça ao que aconteceu ao longo dos 90 minutos e manteve a disputa completamente aberta para o jogo de volta.