Punição bilionária

198

Em uma final de Liga dos Campeões da Europa com lances marcantes, um dos principais foi a disputa entre o defensor Sérgio Ramos, do Real Madrid, e o atacante Mohamed Salah, do Liverpool. A entrada provocou contusão nos ligamentos do ombro que pode fazer com que o atacante egípcio, maior astro de seu país, sequer consiga disputar a Copa do Mundo da Rússia 2018.

Real Madrid x Liverpool
Na tentativa de desarme, Sérgio Ramos lançou Mohamed Salah no chão

O atleta tenta mostrar otimismo. Através das redes sociais, afirmou que vai se esforçar para conseguir se recuperar em tempo de participar do Mundial, mas sua escalação na estreia do Egito no torneio, em 15 de junho, contra o Uruguai, às 9h (horário de Brasília), em Ecaterimburgo, foi descartada.

Assim, se conseguir superar as previsões negativas iniciais, estaria em campo para encarar a Rússia, em 19 de junho, e a Arábia Saudita, em 25 de junho. O próprio jogador, contudo, reconheceu, essa possibilidade não é das maiores, mas prometeu reverter o cenário.

Advogado inconformado quer impor dor no bolso de Sérgio Ramos

Real Madrid x Liverpool
Sérgio Ramos pediu desculpas pelo lance em que machucou Salah pouco depois da partida

Vilão no lance, Sérgio Ramos, que foi convocado para disputar o Mundial pela seleção da Espanha, não receberá qualquer punição das entidades esportivas, uma vez que sua atitude não foi considerada desleal. Porém, terá que responder nos tribunais pela ação.

O advogado Bassem Wahba pediu uma indenização de 1 bilhão de euros, cerca de R$ 4,2 bilhões, como forma de punir o atleta por “machucar intencionalmente Mohamed Salah” e causar “danos físicos e psicológicos” não apenas ao atleta, mas também “a todo povo do Egito”.

Mohamed Salah
Salah tenta demonstrar otimismo na recuperação, mas as previsões dos médicos seguem linha diferente

Além da movimentação na corte da Inglaterra, o queixoso também apresentou um recurso à Fifa (Federação Internacional de Futebol) pedindo punição a Sérgio Ramos. Nenhuma das ações deve surtir efeito. Dificilmente um tribunal inglês aplicará punições por um ato fruto de disputa de evento esportivo. Mesmo a Fifa não tem muito o que fazer, uma vez que não se tratou de uma agressão que pode ser considerada intencional sem qualquer sobra de dúvida.

Além disso, pesa em favor do defensor espanhol sua atitude logo após o jogo. Ele pediu desculpas pelo lance e lamentou que a disputa tenha causado contusão tão grave no atacante do Egito.