Real Madrid favorito e River Plate humilhado: as semis do Mundial de Clubes da FIFA

55
O River Plate se tornou o quarto sul-americano da história a ser eliminado nas semifinais do Mundial de Clubes da FIFA

O inesperado aconteceu: o River Plate conseguiu a façanha de ser eliminado do Mundial de Clubes da FIFA para o humilde Al Ain, time campeão do país anfitrião do torneio, os Emirados Árabes Unidos. Os argentinos, dessa maneira, deram adeus à chance de enfrentar o atual campeão Real Madrid numa final que seria a glória máxima depois de vencer o rival mortal Boca Juniors na final da Libertadores.

O River começou a semifinal desta terça-feira (18) tomando um baita susto, já que o Al Ain abriu o placar logo aos 2 minutos do primeiro tempo. Não demorou muito, porém, para o time de Buenos Aires empatar e virar o jogo. Ambos os gols vieram de Borré, de longe o melhor jogador do River em campo.

No segundo tempo, o Al Ain conseguiu empatar o jogo através do brasileiro Caio, que fez bela jogada e bateu no contrapé do goleiro Franco Armani. Antes de o tempo normal chegar ao fim, porém, o juiz marcou um pênalti (um tanto quanto duvidoso) para o River Plate. Pity Martínez tomou distância, correu, bateu e…acertou o travessão do Al Ain.

Os torcedores do River Plate viajaram até o Oriente Médio para acabar vendo seu time sendo eliminado pelo azarão Al Ain

Deve-se ressaltar, aliás, que o juiz e o VAR tiveram uma influência ampla e negativa no jogo. O sistema de árbitro de vídeo anulou um gol legítimo do Al Ain no final do primeiro tempo e foi o responsável por marcar o pênalti a favor do River (que foi desperdiçado). Não bastasse, ainda no primeiro tempo Exequiel Palacios colocou a mão na bola dentro da área, mas o juiz não deu a penalidade, mesmo tendo revisado o lance com o VAR.

Na prorrogação o domínio do River ficou mais claro – o time argentino, independentemente de qualquer outra coisa, é tecnicamente bem superior ao clube dos Emirados Árabes. Mesmo assim, os portenhos não conseguiram transformar o domínio técnico em vantagem e nem se aproveitar da exaustão do Al Ain, que já havia jogado prorrogação e pênaltis contra o Team Wellington na primeira partida e vencido o Espérance Tunis nas quartas – ou seja, dois jogos a mais que os argentinos. Pênaltis.

As cobranças de penalidades foram tão equilibradas quanto o jogo em si. Caio abriu a série e anotou para os donos da casa, que também marcaram com Shiotani, Bandar Mohamed, Amer Abdulrahman e Rayan Yaslam. O River Plate acertou os quatro primeiros chutes, cobrados por Scocco, Quintero, Lucas Pratto e Borré.

O sonho do Mundial do River Plate, por fim, morreu nas mãos do goleiro Khalid Eisa, que defendeu a cobrança do argentino Enzo Pérez e decretou a classificação do humilde Al Ain para a final, onde muito provavelmente pegará o Real Madrid.

Herói da classificação, Khalid Eisa defendeu o pênalti de Enzo Pérez e carimbou a passagem do Al Ain para a grande final do Mundial

Real Madrid precisa abrir os olhos para não passar vergonha também

Com todo respeito aos clubes de outros continentes, mas é muito humilhante para um sul-americano ou europeu não chegar à final do Mundial. O River Plate agora entrou no infame e indesejado grupo de times da América do Sul que conseguiram a proeza de cair nas semis, fazendo companhia para Internacional, Atlético-MG e Atlético Nacional (COL).

O Real Madrid, por sua vez, continua favoritíssimo não apenas no jogo de logo mais contra o campeão asiático, o japonês Kashima Antlers, mas também ao título do torneio. Aliás, se antes já eram favoritos, agora os Merengues têm a obrigação moral de saírem dos Emirados Árabes com o caneco na mala.

O River foi humilhado, disso já sabemos, mas é o quarto sul-americano numa história de só 15 edições (considerando só os mundiais desde que foram padronizados pela FIFA em 2000) a conseguir o feito trágico. O Real Madrid, por sua vez, seria o primeiro europeu a dar esse desgosto para seu torcedor, e por isso o clube espanhol provavelmente vai entrar em campo com atenção redobrada.

O time de Santiago Solari vai pegar o mesmo Kashima Antlers que deu um belo sufoco aos madridistas na semifinal do Mundial de 2016. O Real Madrid vai com força total pra cima dos japoneses, já que o único jogador que jogou na ocasião e que não faz mais parte do elenco é Cristiano Ronaldo.

As odds em Betfair são de absurdos 10,5 para 1 em caso de vitória do Kashima Antlers no tempo normal, enquanto que vitória do Real Madrid por 1×0 paga 8 para 1.

Cristiano Ronaldo, autor de três dos quatro gols na vitória de 4×2 sobre o mesmo Kashima Antlers em 2016 foi para a Juventus. Agora cabe a Benzema, autor do outro gol, e o resto do Real Madrid se garantirem na final
Comentários do Facebook